segunda-feira, 14 de maio de 2018

Nunca desista do que te faz feliz

Nunca desista do que te faz feliz e não acumule sensações que te deixam  triste.

A diferença entre a  alegria e a tristeza é o ponto de partida.

Nós podemos transformar uma alegria em tristeza em pouco segundos,  assim como podemos transformar a tristeza em alegria verdadeira.

Por exemplo, se um ente querido morre e a tristeza é muito grande, podemos lembrar que ele estará indo para uma nova vida e isso nos trará muita alegria.

Se estamos tão felizes ao ponto de não vermos uma realidade deprimente qualquer, no momento em que nossa consciência alcançar essa realidade surgirá a tristeza que a consciência do erro nos trará.

A vida é feita de opostos: bem/mal, claro/escuro, amor/ódio, tristeza/alegria ... todos muito próximos um do outro, separados apenas por um tênue fio... ligados  apenas por um tênue sentimento.

O importante é saber que esse tênue fio que separa nossa realidade é constituído da energia que nasce em nosso próprio ser, em nosso próprio coração. Sabendo isso podemos escolher manter esse fio inteiro e forte para conseguirmos o equilíbrio.

segunda-feira, 5 de março de 2018

O QUE É PRA VOCE SER MULHER..

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

O QUE É PRA VOCE SER MULHER..

MULHER....
Segundo o DICIONÁRIO AURELIO mulher significa "ser humano do sexo feminino; esse mesmo ser após a puberdade; esposa (que no mesmo Aurelio é definida como: mulher em relação ao marido).

De acordo com os POETAS mulher é aquele ser de pura beleza, inspirador de toda sua poesia, melancolia, dramaturgia, fantasia e pseudo-alegria.

Os HOMENS consideram as mulheres como suas possíveis companheiras, às vêzes até parceiras, mas sempre as "mulheres deles", ou melhor, seus objetos de uso e consumo próprios. Ah, não podemos esquecer aquela fase em que ele "olha a mulher do outro" mas se esquece de que a dele é a do outro, para o outro.

Tem tambem as CRIANÇAS. Essas vêm as mulheres como mães, tias e avós, como perfeitas entidades filantrópicas.

E VOCÊ, Como Se Sente Ao Ver-Se Mulher? Concorda com todas as versões acima, prefere alguma delas, ou gostaria de acrescentar alguma?
Preencha os pontinhos com sua opinião: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Será que dentro desse seu conceito próprio estão incluídos sua auto estima, sua auto confiança, seu auto controle e sua autonomia? Você consegue saber em que posição da sua própria vida está, quem você realmente é, como você prefere ser, onde você gostaria de ir? Será que o conceito do outro em relaçãoa você interfere nas suas atividades? A relação familiar mobiliza você até o extremo da passividade pessoal chegando a interferir nas suas outras possíveis relações? Se você disse sim à maioria dessas indagações, propomos que participe de nossos encontros, onde você poderá perceber, através da troca de informações e experiências, o que pode ser feito para que seus objetivos atuais, imediatos ou futuros possam ser alcançados de forma a proporcionarem a VOCÊ o máximo de prazer pessoal. Por falar nisso, qual é o seu maior prazer pessoal?

Ao relfetir sobre o conjunto de crenças e atitudes que você tem em relação a si mesma, e ao pensamento de outros em relação às suas capacidades você desenvolverá uma quantidade maior de amor próprio, mais facilidade de se gostar, de ser positiva em relação aos acontecimentos da vida, por piores que possam parecer, conseguindo então levantar ao amanhecer e lembrar que está viva para mais um dia, agradecer ao Ser Supremo por sua vida, olhar-se no espelho e se achar linda e gostosona, mesmo com uns centímetros a mais na cintura, cabelos faltando ou muitos já brancos, ter auto confiança, ser feliz, ter auto respeito, ser segura ao messmo tempo que humilde, franca e transparente. É gostar do mundo. E entender o amor, entender nossa essência divina.

A partir de agora comece a esboçar um projeto, a idealizar uma mudança qualquer, a ver UMA POSSÍVEL E VIAVEL NOVA MULHER em você. Para esboçar esse projeto leve em conta somente aquelas "coisas impossíveis de conseguir" ou que você "vem adiando há anos', e vamos por mãos à obra. No nosso último encontro colocaremos seu projeto em execução, seja ele qual for. Leve em conta também que você vai ter ajuda extra para alcançar seu objetivo e que então não existe dúvida de que vai alcançar o êxito.

Suas palavras chave apartir de agora são: beleza, alegria, felicidade, poder, decisão, estabilidade, liberdade, respeito.

Vera Lucia Eleone

A VIDA E AS CORES - 2 (Os Chakras)


Nesse nosso segundo encontro continuamos a falar sobre as cores. Vimos que o Sol, como conseqüência de sua vida, derrama diversas energias sobre a Terra e entre elas a energia vital ou Prana que após ser captada por um dos átomos primordiais que se encontram disseminados no espaço físico da Terra, atraem outros seis e formam o glóbulo da vitalidade.
Vimos, então, que o Prana se decompõe em sete cores e cada cor é absorvida por um dos átomos formadores deste glóbulo e que o átomo que primeiramente foi impregnado pelo Prana retém a modalidade rósea e os outros, a vermelha, a alaranjada, a amarela, a verde, a azul escura e a violeta. Esse glóbulo se constitui no alimento mais importante da vida e é absorvido principalmente por um órgão situado no corpo físico etérico denominado chakra esplênico onde este glóbulo se decompõe, distribuindo suas energias cromáticas aos outros chakras por meio de canais etéricos e estes, através dos plexos nervosos, a todos os sistemas do corpo físico, enervados por esses plexos.

O corpo etérico possui uma série de órgãos denominados de chakras; dentre eles, assinalamos oito: coronário no alto da cabeça; frontal no centro da testa entre as sobrancelhas, laríngeo na frente do pescoço, cardíaco na altura do coração, umbilical na altura do umbigo, esplênico em frente ao baço, sacro quatro dedos abaixo do umbigo, e básico na direção do fim da coluna vertebral. Cada um destes chakras é representado no corpo físico denso por uma glândula endócrina.

Chakra Esplênico – plexos esplênico e lombar – vitaliza o baço e irradia para todo o sistema nervoso a cor rósea. Esta cor desintoxica os centros nervosos e vitaliza-os.

Chakra Sacro – plexo sacro - vitaliza as gônadas. Recebe do esplênico a cor vermelha e a laranja e as envia para os órgãos do sistema genital. Estas cores estimulam a sexualidade.

Chakra Básico – plexo coccígeo - vitaliza as glândulas supra-renais. Recebe do esplênico as cores vermelha, alaranjada e violeta e as envia para o sangue e órgãos sexuais, favorecendo a saúde desses órgãos.

Chakra Umbilical – plexo solar – vitaliza o pâncreas. Recebe a cor verde e a envia aos órgãos dos sistemas digestivo e urinário, vitalizando e favorecendo a saúde dos órgãos destes sistemas.

Chakra Cardíaco – plexo cardíaco – vitaliza a glândula timo. Recebe a cor amarela do esplênico. Esta cor favorece o sistema imunológico aumentando a elaboração dos linfócitos T pela glândula timo, que protegem o organismo contra infecções. Envia o amarelo ao coração e através deste ao sistema circulatório promovendo a saúde deste sistema e de todo o organismo, ao cérebro beneficiando os raciocínios e a memória, e o envia também à flor central do chakra coronário. É interessante assinalar que o amarelo é a cor que resulta, na aura, quando sentimos alegria; logo, a alegria, produzindo na aura esta cor, é altamente benéfica para os sistemas imunológico, circulatório e para o cérebro.

Chakra Laríngeo – plexo cervical e laríngeo – vitaliza as glândulas tireóide e paratireóide. Recebe do esplênico as cores azul escuro e violeta. Envia o azul claro para o sistema respiratório e o azul escuro para a parte inferior do cérebro favorecendo os raciocínios intelectuais e o violeta para a parte superior do cérebro, favorecendo os pensamentos de alto valor espiritual.

Chakra Frontal – plexos carotídeo e cavernoso – vitaliza a glândula hipófise. Recebe amarelo do cardíaco, e azul escuro e violeta do laríngeo. Vitaliza os órgãos da visão, da audição e o cérebro em suas funções criadoras no campo mental.

Chakra Coronário – cérebro - vitaliza o cérebro e através dele todo o corpo. Recebe em sua parte externa o violeta do laríngeo e em sua parte interna o amarelo proveniente do cardíaco.

Fizemos, assim um resumo das correntes cromáticas necessárias ao bom funcionamento dos diversos sistemas do nosso corpo físico. Na próxima coluna focalizaremos os métodos de cromoterapia e outras aplicações das cores para nossa saúde física, emocional e mental.

E lembrem-se: a alegria é importante para fortalecer nosso sistema imunológico e cardíaco!

A VIDA SE PROCESSA ATRAVÉS DAS CORES - 1

(artigo publicado no site Somos Todos Um – 2006)

Falar sobre as cores é falar sobre a Vida. Não se pode dissociar uma da outra. Para termos saúde deve haver, em nossa natureza, equilíbrio cromático, seja a nível físico, emocional ou mental.
Vejamos: Nosso corpo, para obter energia que alimenta sua vida, deve ingerir alimentos sólidos, líquidos, gasosos e etéricos. Se formos privados dos sólidos, sobreviveremos algum tempo; se formos privados de ingerir líquidos, nosso prazo de sobrevida é bem menor; não conseguiremos sobreviver mais que poucos minutos sem ar e sem o alimento etérico, que alguns denominam de energia vital ou bioenergia, outros de orgônio, outros de energia Ki e ainda outros de Prana; sem este último, nosso tempo de sobrevida é de poucos segundos. Avaliamos, assim, que o alimento mais importante para a nossa vida é aquele que nossos sentidos físicos não conseguem perceber: o Prana.

Recebemos principalmente esta energia do Sol. Ao ser irradiado pelo sol, como conseqüência da vida deste astro, ele é atraído pelas menores partículas que se encontram disseminadas no espaço físico da Terra – os átomos primordiais (estes átomos são de sete tipos diferentes). O átomo que absorve o Prana fica dotado de uma força de atração sêxtupla, atraindo assim, seis outros átomos. É, então, formada uma molécula designada de glóbulo da vitalidade. O Prana, então, se decompõe em sete cores e cada átomo se apropria de uma modalidade prânica diferente, ou seja, o átomo, que primeiro atraiu o Prana, retém a vibração rósea; cada um dos outros retém sucessivamente, a vermelha, a alaranjada, a amarela, a verde, a anil e a violeta. Este glóbulo é absorvido por toda a natureza, inclusive pelo homem; no corpo humano esses átomos formam correntes de energia que se dirigem aos diversos sistemas e os vitalizam.

Importante para se compreender os mecanismos que presidem o processo da absorção prânica, é conhecer a contra-parte etérica de nosso corpo físico e seus diversos centros energéticos: os chakras. Poderemos, assim, começar a compreender o porquê da necessidade de determinadas cores para a manutenção da saúde de nosso corpo. Todas as vibrações de acordo com sua freqüência resultam em uma determinada cor e cada cor produz um determinado efeito. Interessante saber que nossas emoções, em decorrência de sua qualidade vibratória, se expressam em nossas auras através de cores. Quando sentimos emoções elevadas, as cores são benéficas e atuam primeiramente em nós mesmos e secundariamente no ambiente e nas pessoas que estejam próximas de nós. Emoções pesadas, hostis, produzem cores agressivas que prejudicam nossos sistemas físicos, conturbam a atmosfera à nossa volta e prejudicam as pessoas que estejam conosco.

O tratamento através da cor, a cromoterapia, auxilia tanto a saúde física, quanto a emocional e a mental. Pode ser ministrada através de focos de luz colorida: por vidraças coloridas, através das quais a luz do Sol atravesse; filtros de papel celofane colocado diretamente sobre a pele exposta ao Sol; de água solarizada em recipientes coloridos; de irradiação mental e também com o auxílio de cristais coloridos.

No próximo encontro, nesta coluna, discorreremos sobre os chakras e suas funções vitalizadoras, através das cores, sobre os diversos sistemas do corpo físico. Até lá, lembrem-se: emoções harmoniosas produzem cores que favorecem nossa saúde e impregnam o ambiente em que nos encontramos com energias positivas!

domingo, 25 de fevereiro de 2018

AS 13 QUALIDADES DAS SÁBIAS

1. Elas não se queixam! Aceitam que o que foi, foi e não pode ser mudado e o que interessa é daqui para frente. Não quer dizer que não expressem dor, mas não se lamentam, não se veem nem agem como vítimas.

2. São atrevidas, tem coragem de experimentar o novo, a buscar o não vivido, o não conhecido.

3. “Tem mãos para as plantas”, concreta e metaforicamente. “Plantam, regam e acompanham o crescimento” de plantas, pessoas, projetos...

4. Confiam em seus pressentimentos/ em sua intuição, honram sua sabedoria interna.

5. Meditam a sua maneira, cultivam um centro interno de silêncio e escuta, de prece e reconexão com o Sagrado.

6. Defendem com firmeza o que mais importa, descobrem sua voz e tendem a tornar-se mais rebeldes e radicais com tudo que consideram errado no mundo.

7. Decidem seu caminho com o coração, mesmo que esse caminho seja difícil.

8. Dizem a verdade com compaixão, mas dizem sempre a verdade, porque sabem que só a verdade cura e liberta.

9. Escutam seu corpo, não o veem como um objeto a ser aperfeiçoado, mas como um instrumento de prazer e auto conhecimento.

10. Improvisam, agem com espontaneidade, fluem com a vida.

11. Não imploram, não fazem NADA com a finalidade de serem aceitas.

12. Riem juntas, riem de si e com isso nutrem um profundo senso de irmandade, porque é um riso que expressa o triunfo do espírito e da alma sobre aquilo que poderia tê-las destruído ou as convertido em mulheres amargas .

13. Saboreiam o positivo da vida, sabem ter gratidão pela beleza da vida, mesmo que mesclada de sofrimentos.

MULHERES QUE CURAM. SÁBIAS, FADAS, BRUXAS?

"Erveiras, raizeiras, benzedeiras, mulheres sábias, bruxas, fadas, feiticeiras, que por muito tempo andaram sumidas, ou até mesmo escondidas. Hoje retornam com um diploma de pós-graduação nas mãos e um sorriso maroto nos lábios. Seu saber mudou de nome. Chamam de terapia alternativa, medicina vibracional, fitoterapia, práticas complementares…são reconhecidas e respeitadas, tem seus consultórios e fazem palestras”.
As mulheres curadoras fazem parte de um antigo arquétipo da humanidade.
Em todas as lendas e mitos, quando há alguém doente ou com dores, sempre aparece uma mulher idosa para oferecer um chazinho, fazer uma compressa, dar um conselho sábio. Na verdade, a mulher idosa é um arquétipo da ‘curadora’, também chamada nos mitos de Grande Mãe.
Não tem nada a ver com a idade cronológica, porque esse é um arquétipo comum a todas as mulheres que sentem o chamado para a criatividade, que se interessam por novos conhecimentos e estão sempre a procura de mais crescimento interno. Sua sabedoria é saber que somos “obras em andamento’, apesar do cansaço, dos tombos, das perdas que sofremos… a alma dessas mulheres é mais velha que o tempo, e seu espírito é eternamente jovem.
Talvez seja por isso que, como disse Clarissa Pinkola:
“Toda mulher parece com uma árvore. Nas camadas mais profundas de sua alma ela abriga raízes vitais que puxam a energia das profundezas para cima, para nutrir suas folhas, flores e frutos. Ninguém compreende de onde uma mulher retira tanta força, tanta esperança, tanta vida. Mesmo quando são cortadas, tolhidas, retalhadas, de suas raízes ainda nascem brotos que vão trazer tudo de volta à vida outra vez.”
Por isso, entendem as mulheres de plantas que curam, dos ciclos da lua, das estações que vão e vem ao longo da roda do sol pelo céu. Elas tem um pacto com essa fonte sábia e misteriosa que é a natureza. Prova disso é que sempre se encontra mulheres nos bancos das salas de aula, prontas para aprender, para recomeçar, para ampliar sua visão interior. Elas não param de voltar a crescer…
Nunca escrevem tratados sobre o que sabem, mas como sabem coisas! Hoje os cientistas descobrem o que nossas avós já diziam: as plantas têm consciência! Elas são capazes de entender e corresponder ao ambiente à sua volta. Converse com o “dente-de-leão” para ver… comunique-se com as plantas de seu jardim, com seus vasos, com suas ervas e raízes, o segredo é sempre o amor.
Minha vó dizia que as árvores são passagens para os mundos místicos, e que suas raízes são como antenas que dão acesso aos mundos subterrâneos. Por isso ela mantinha em nossa casa algumas árvores que tinham tratamento especial. Uma delas era chamada de “árvore protetora da família”, e era vista como fonte de cura, de força e energia. Qualquer problema, corríamos para abraçá-la e pedir proteção.
O arquétipo de ‘curadora’ faz parte do feminino, mesmo que seja vivenciado por um homem. Isso está aquém dos rótulos e definições de gênero. Faz parte de conhecimentos ancestrais que foram conservados em nosso inconsciente coletivo.
Despertar o sagrado feminino é permitir que o arquétipo da Anciã, aquela que tudo sabe, desperte em vc não importa sua idade.  É se conectar com as forças da mãe natureza, é aceitar seus ciclos, se entender e assim se libertar das emoções reprimidas, medos e apegos. É amar-se acima de tudo e exatamente do jeito que se é. É realmente se enxergar como parte da  parte deusa criadora de tudo, sentir-se especial só pelo fato de ser mulher, a que sente e a que cura.
É isso tudo não precisa ter nome!
(VLEO2012)

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

O hormônio do afeto- ocitocina

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

OCITOCINA - O HORMÕNIO DO AFETO

A mãe e seu bebê. Os primeiros dias de uma nova vida. A descoberta um do outro. Um inexplicável sentimento adoçando cada gesto. E em cada gesto um pequeno milagre: a liberação de um hormônio que vai acompanhar esse novo ser pela vida afora.

É no hipotálamo, na região central do cérebro, que a ocitocina é produzida. Até pouco tempo atrás, os cientistas sabiam só que esse hormônio tinha papel fundamental nas contrações do parto e na amamentação. Mas as pesquisas avançam rápido, e novos enigmas vão sendo desvendados. Por exemplo: animais mais ricos dessa substância tendem a ser mais fiéis em suas relações.

E, nos laboratórios, a ocitocina ganhou um apelido carinhoso: hormônio do abraço.

"Um dos grandes estímulos para a liberação de ocitocina é o contato físico. O abraço nada mais é do que contato físico, uma manifestação de carinho, de acolhimento",

E isso não vale só entre mães e filhos. Todo e qualquer afeto tem o mesmo efeito. Pode ser entre amigos, parentes, namorados e até com o bichinho de estimação. Amar faz bem ao coração. A ação da ocitocina provoca a redução dos batimentos cardíacos e diminui a pressão arterial.

As mulheres levam vantagem nessa química. Os hormônios femininos combinados com a ocitocina tornam o hormônio do abraço ainda mais poderoso. E é em momentos de tensão que ele mostra toda a sua força.

"Se você for a uma consulta médica com um amigo – ou sozinho, mas receber uma borrifada de ocitocina antes da consulta – sua reação de estresse é diminuída. Você libera menos cortisol e menos adrenalina. A freqüência cardíaca também é reduzida. Então, um amigo ou a ocitocina tem a mesma função de acalmar e de reduzir o estresse",

É como se cada abraço fosse uma pequena vitória contra o estresse. Na luta diária, outros hormônios que nos deixam em estado de alerta perdem a vez.

"O que a ocitocina faz é modificar as fontes de adrenalina e cortisol, tornando essas fontes menos estimuláveis. Dessa forma, a liberação de adrenalina e cortisol se torna reduzida. A sensação final é de enorme bem-estar. Vamos pensar o seguinte: a ocitocina é liberada no orgasmo. Preciso dizer mais alguma coisa?",.

E o melhor de tudo: nada indica que a produção de ocitocina vá diminuindo com o passar do tempo. Na juventude ou na velhice, ela está sempre pronta a entrar em ação. Basta ter um bom motivo do tempo.